por Cesar Seara Neto

Uma Regata comemorativa ao Centenário do Figueirense Futebol Clube numa parceria experimental entre a Federação de Remo do Estado de Santa Catarina e a Confederação Brasileira de Remo foi capaz de nos proporcionar bons momentos.

Nosso intuito aqui é contar as #historiaderemador, aquelas que as “medalhas, troféus e súmulas de regatas não contam”, sendo assim, deixemos o coração falar.

A narração da Regata ficou sob a responsabilidade de André Dutra , presidente da Federação SC, outrora “Dedé”, criança correndo pelos galpões do Clube de Regatas Aldo Luz , acompanhando seu pai o highlander “Liquinho”.

Na primeira prova, Double Skiff sênior feminino, de volta ao “Desafio das Águas” nossa campeã Mundial Fabiana Beltrame abrilhantando o evento.

Temos acompanhado o Remo de SC através das mídias sociais, por isto, muitos são para nós remadores virtuais, apresentados graças ao Instagram, entretanto alguns poucos, tivemos o privilégio de fazer parcos contatos, ainda que por mensagens, o que nos aproxima de certa forma.

Aqui em especial, destacamos Raquel Denise Ewald do Clube Náutico América que estava ansiosa pela sua estreia no Double Skiff Misto estreante, muito preocupada como seria seu desempenho. Registremos aqui que remou de forma soberba, nos enchendo de satisfação!!!

Raquel Ewald – Double Estreante Misto

Também presente nesta prova Gil Ferri, do Clube Náutico Riachuelo mais uma das oportunidades virtuais que travamos contato.

Nesta mesma prova mais outro fato que merece destaque, a vitória ficou para a dupla formada por mãe e filho do Clube Náutico Francisco Martinelli , Dani e Bruno Petri.

Dani e Bruno Petri

Créditos das fotos Fernando Bresolin e Gustavo Medeiros

Muitas outras disputas acirradas como uma prova de Skiff Junior merecem também nosso destaque, de acordo com os olhos atentos do entusiasta e atleta Rodrigo Porto acompanhando seu filho Kalil.

Salientamos ainda a participação da Associação de Remo de Presidente Getúlio criada recentemente nos últimos anos.

Não pretendemos nos ater aos resultados das provas em si, mas ao resultado do EVENTO, que muito nos lembrou nosso pai Cesar Seara Jr, quando recebia o apoio do jornalista Roberto Alves para transmissão ao vivo das Regatas, quando ainda trabalhava na TV Cultura.

Um grande sucesso para o experimento com mais de mil visualizações no canal Remo Brasil, desde de sua transmissão no dia de ontem (26/06/2021), que esperamos cresça cada vez mais, lembrando o que o Seara Jr nos disse ano passado:

“- Temos que aprender a falar do Remo para ou outros, e não para nós mesmos”.

Categorias: Crônicas

6 comentário

rodrigo porto · 27 de junho de 2021 às 13:36

Evento sensacional valorizando o esporte e nossa bela ilha da magia. Mas uma boa história de remador.

    historiasderemador · 28 de junho de 2021 às 10:34

    Realmente Florianópolis é um local privilegiado!!! Evento SENSACIONAL. Grande abraço

Gil Karlos Ferri · 27 de junho de 2021 às 18:38

Excelente matéria e fotos, César! Destaque para a reflexão final: “- Temos que aprender a falar do Remo para ou outros, e não para nós mesmos”.

    historiasderemador · 28 de junho de 2021 às 10:33

    A matéria só existiu graças aos protagonistas, você é um destes. Quanto a reflexão, sim, temos que falar do Remo para os “outros”. Vamos em frente

Raquel Denise Ewald · 28 de junho de 2021 às 08:47

Eu e meu parceiro, Rafael Steiner Souza, começamos a remar meses atrás e estamos treinando apenas a um mês juntos no double skiff, em torno de dois treinos por semana, geralmente à noite. Iniciamos a prova já nos sentindo vitoriosos, porque remávamos apenas canoes e tivemos no double uma evolução. Os treinos desse último mês nos ensinaram muito, e sabemos que tem muito mais por vir.
Participar da regata foi a nossa vitória, para nós foi incrível, um presente por nosso esforço de aprender a remar em idade máster.
Ao menos para mim, essa regata me fez querer participar de muitas outras. Se eu já estava animada antes, agora estou muito mais!
Essa nossa foto selecionada por você, registrou um momento que apenas 3 pessoas viram na hora (o fotógrafo, o Índio e eu), eu estava muito tensa, estávamos chegando próximo ao local de alinhamento, foi quando eu vi o meu professor, Índio (Walfrid Zimmermann), na lancha dos árbitros. Ao ver ele tudo melhorou para mim, e neste momento eu estava comemorando por estar ali, nesta regata, perto do momento da largada. Neste momento da foto eu estava comemorando um outro tipo de vitória.
Agradeço a você Seara e a #historiaderemador, pela matéria e pelo contínuo incentivo!
Aproveito a oportunidade para acertar uma informação que foi narrada, meu pai, Rolf Ewald foi remador na década de 50 pelo C.N. América, e nesta regata haviam 3 descendentes dele, meu sobrinho Yan Ewald Zechner (C.N.F. Martinelli), Helena Beatriz Ewald D’Avila (minha filha) e eu do C.N. América.

    historiasderemador · 28 de junho de 2021 às 10:31

    Obrigado por permitir dividir todas estas #historiasderemador. Quanto mais contamos, mais aparecem!!! Um grande abraço para toda a família América e em especial ao teu pai!!!

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese