Por Cesar Seara Neto *

A ponte Hercílio Luz é o principal cartão postal de Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina. Ponto.

Remadores, arquitetos, dirigentes e aficionados

Passado e futuro se conectam através do presente, momento único que podemos realizar algo. Entretanto, situações vividas, muitas vezes nos auxiliam numa tomada de decisão, quando podemos repetir algo que nos agradou, ou realizar de maneira distinta uma experiência.

Quem teve sua infância nos anos sessenta-setenta, sabe que passear de carro, era sinônimo de embarcar num Fusca, e o prêmio maior, viajar na “cachorreira”. Na nossa família, aquele espaço atrás do banco traseiro, era chamado de “Buraco”.

Lembro de ter dormido num passeio e acordar no meio da ponte, “deitado” no buraco de um fusca. Ao ver o vão que existe entre a passarela e a pista de rodagem, me imaginei caindo na água, naqueles pesadelos que temos meio dormindo, meio acordados. Mas nem por isto deixo de ter saudades da majestosa Ponte.

Mas, Fusca e Remo? Qual a conexão?

O Remo já foi um esporte que parou cidades no Brasil nos anos 50, coisa que já não se repete mais. O Fusca foi reeditado e virou carro chique, mas parece que não serviu à modernidade e também virou peça de colecionador.

André Dutra, presidente da Federação Remo de Santa Catarina exibe livro de sua autoria sobre o Centenário do Clube de Regatas Aldo Luz

Agora, um movimento exemplar para realizar um estudo sobre o Parque Náutico Walter Lange, situado entre a majestosa Hercílio Luz e a Ponte Colombo Machado Salles, antes chamada de “Ponte Nova”, chega para manter acesa nossa chama.

O arquiteto Marcos Martins, remador Campeão Sul Americano de Remo Júnior em 1985, abre com esta carta auto explicativa, sobre o evento REMAR.

“Esporte historicamente ligado à cidade, o remo foi relocado nesse espaço de borda d´água entre a ponte Hercílio Luz e a ponte Colombo Sales, no recém criado aterro da Baía Sul em 1977.

Ao longo desses 44 anos, os equipamentos urbanos, vias e acessos foram surgindo e isolando o Parque Náutico Walter Lange nome desse espaço que abriga e sedia as atividades dos centenários clubes de remo da ilha. Esse espaço é herdeiro do Cais do Hoepcke, Ilha do Carvão e Estaleiro da Arataca, lugares visceralmente ligados à identidade da cidade marinheira que foi se perdendo com o tempo.

O evento Remar pretende gerar ideias de valorização desse cinematográfico lugar, desenvolver propostas de uso para pedestres, corredores, ciclistas, usuários da travessia pelas pontes, lazer passivo e ativo além de melhorar a relação do espaço com os usuários nativos e a própria cidade.”

Este movimento nos enche de alegria e esperanças, para rever nosso esporte sendo mais praticado e quem sabe também prestigiado por toda a população.

Citamos ALGUNS nomes e entidades que participam deste movimento:

Arq Nelson Teixeira, Vice prefeito Topázio Silveira Neto, Anita Pires, Arq Cibele Lorenzi (IPUF), Arq Gustavo Takeda (PUC-RS), Arq Tatiana Filomeno (IPUF), ASBEA, Gustavo Rodrigo Souza, Instituto Via UFSC, Hoepcke.

O Clube Náutico Riachuelo também participa deste evento.

Reunião sobre o evento REMAR na sede do Clube Náutico Francisco Martinelli

* Cesar Seara Neto, engenheiro civil, formado na UFSC em 1988, nascido em Florianópolis em 1965, foi remador do Aldo Luz nos anos 1980 a 1986. Atualmente é o ÚNICO colaborador da página, mas desde já, convidamos a TODOS que possuírem recordações, histórias na memória, que queiram contribuir com fotos, filmes e quaisquer outros tipos de registro ou de textos, tal qual Gil Ferri no post Remando & Refletindo: intelectuais nas águas da História*


10 comentário

marcos antonio martins · 16 de agosto de 2021 às 21:14

Vai ser um trabalho de co-criação ou criação coletiva com a ativa participação dos usuários na organização das demandas. Todos nós que vivemos muitos anos de nossas vidas naquele lugar torcemos que essa qualificação antecipe mais centenários e sirva a muitas gerações mais.

Gilberto · 16 de agosto de 2021 às 21:15

Excelente iniciativa. Area nobre, recheada de historias e manes que fizeram e fazem a história do glorioso remo da nossa querida Ilha.

Antônio Farias Filho · 16 de agosto de 2021 às 21:28

A Comunidade do Parque esta aguardando com muito entusiasmo pelos resultados do Projeto REMAR.

André Baracuhy · 16 de agosto de 2021 às 23:41

Estava fora da cidade e acabei não comparecendo, mas na torcida pela revitalização do nosso parque, as expectativas com o projeto Remar, são as melhores possíveis.

Clarissa Stefani Teixeira · 11 de setembro de 2021 às 11:56

Muito feliz em fazer parte!

Deixe uma resposta para André Baracuhy Cancelar resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese